Espinosa, meu éden

Espinosa, meu éden

quarta-feira, 1 de julho de 2015

1286 - Vamos à feira?

Está lá no dicionário. Mercado - s.m. Lugar público, ao ar livre ou em recinto fechado, onde se vendem e onde se compram mercadorias. Eu acrescentaria, local onde se pode encontrar quase todo mundo em uma cidade pequena como Espinosa, por exemplo. E isso é ótimo. Sempre que estou na cidade, faço de tudo para passar pelo menos uns minutos na feira do sábado no Mercado Municipal para apreciar o verdadeiro tesouro de maravilhas da roça e reencontrar pessoas por quem tenho apreço e amizade.
Esta velha fotografia que publico aqui mostra os fundos do antigo Mercado Municipal que funcionou por muitos anos ali na Praça Coronel Heitor Antunes, bem ao lado do prédio da Prefeitura. O espaço que atualmente está tomado por várias construções, recebia dezenas de barracas que vendiam de tudo: arroz, feijão, farinha, café, açúcar, frutas diversas, verduras, carne de gado, galinhas caipiras, porcos, lenha, fumo de rolo, panelas, caldo de cana, biscoitos etc. Por algum tempo eu vi tudo isso bem de pertinho, pois trabalhei na mercearia de Albino da Costa Ramos e convivi bastante com o pessoal que lá trabalhava, principalmente com os açougueiros, entre eles Pia, Zezé, Dezinho e Geraldo. Foram bons tempos da minha juventude, mesmo trabalhando em um serviço meio pesado e cansativo, mas de toda maneira, digno e respeitável. Fiz muitos amigos ali, graças a Deus. Mesmo depois que deixei de trabalhar na mercearia do Albino, ainda aparecia por lá no sábado e ficava horas na barraca de Tone Fuminho batendo papo e falando de futebol com meus amigos Péba e Euclides, este último infelizmente já falecido. 
Muita saudade e boas lembranças do velho mercado!
Um grande abraço espinosense.


segunda-feira, 29 de junho de 2015

1285 - Martin, a alegria da casa

Ele veio de presente para iluminar um tanto a nossa vida e apagar um pouco a imensa tristeza que se instalou em nossa casa após a precoce partida de Ricardinho. Presente de uma amiga de Renato, Alana, o cachorrinho da raça Shih Tzu ganhou imediatamente o nosso amor e carinho e, com suas estripulias diárias, devolveu a nós um pouco da alegria perdida.
Logo que chegou, ganhou o nome de Martin, escolhido por Renato. Alguém pode até achar que a escolha é para homenagear o nosso tão querido e saudoso Padre Martin Kirscht. Mas não. Poderia ser uma homenagem ao grande ativista da paz Martin Luther King, mas também não é. Poderia homenagear a família de Cléa, os Martins, mas não é isso. Conforme Renato, o nome do cãozinho surgiu assim, do nada, e pronto, pegou.
As tentativas anteriores de criar um cachorro aqui em casa nunca tiveram resultados satisfatórios. Os meninos sempre quiseram ter um cãozinho, mas nunca se dedicavam ao trabalho de cuidar suficientemente deles. Assim, passaram pela casa a Lassie (poodle), um dos seus filhotes sem nome, o Pongo (pequinês), o Spike (viralata) e o Broke (labrador). A Lassie, o Pongo e o Spike foram doados, pela simples falta de alguém para cuidar. O filhotinho eu infelizmente matei, ao sair de carro da garagem sem perceber a sua presença, o que me deixou com um peso no coração por longo tempo. O Broke, o labrador que Ricardo ganhou de presente de Decão, seu amigo, desapareceu misteriosamente. Martin, finalmente, parece que veio quebrar essa sina de desacertos.
Ele é da raça Shih Tzu, originada do Tibete, mas popularizado na China. Possui uma expectativa de vida entre 12 a 16 anos, pelo longo e tamanho pequeno que pode chegar até 7 kg de peso e 28 cm de altura. São muito brincalhões e se adaptam facilmente às pessoas, a outros animais e à vida em casa ou apartamento. São alegres, teimosos, animados e extrovertidos, além de muito carinhosos e apegados aos donos, a quem seguem por todos os cantos da casa. Fonte: tudosobrecachorros.com.br
Martin nos alegra um bocado a cada dia, até mesmo quando faz suas necessidades pela casa, deixando a dona meio estressada. Mas é reconfortante e prazeroso chegar cansado do futebol e contar com a sua preciosa ajuda para retirar a chuteira, a tornozeleira e as meias, conforme pode ser visto no vídeo abaixo. Martin entrou definitivamente para o rol dos seres eternos em nossos corações.
Um grande abraço espinosense.

sábado, 27 de junho de 2015

1284 - Maravilha! Chegaram os gêmeos Pedro e Ricardo!

Na manhã desta sexta-feira, em Belo Horizonte, vieram desembarcar, conhecer e habitar esse nosso belo e intrincado mundo, mais dois pequeninos viajantes, o Pedro e o Ricardo. Os meninos nasceram de cesariana, após 37 semanas e 2 dias de gravidez, ambos pesando 2,890kg. Ricardo nasceu medindo 47cm e Pedro 46,5cm. Eles agora são a luz e a felicidade incontida dos seus pais, Thiago Antunes Lopes e Isabela Barros, como também dos avôs Fernando Barros e Celeneh Ribeiro e Roberto Carlyle Gonçalves Lopes e Lindacy Antunes Lopes, que devem estar embasbacados de tanta alegria.
Os gêmeos nasceram com plena saúde, para alegria dos pais e demais familiares e amigos, entre eles nós. Rogamos a Deus para que eles tenham vida longa, com muita saúde e felicidade nas suas trajetórias.
Um grande abraço espinosense. 


sexta-feira, 26 de junho de 2015

1283 - Militão dos Santos e sua arte brasileiríssima

As cores são fortes e abundantes, inundando a imagem de um colorido resplandecente, mostrando, na maioria das vezes, cenas corriqueiras do mundo simples e tranquilo do povo brasileiro. Assim é a extraordinária arte de Militão dos Santos, ou Antônio Militão dos Santos, um arretado pintor pernambucano nascido em Caruaru em 15 de junho de 1956. A perda da audição, ainda jovem, com apenas sete anos, devido à meningite que o atacou, parece ter despertado os outros sentidos. No ano de 1970 a sua família o enviou para o Rio de Janeiro, para estudar no INES - Instituto Nacional de Educação de Surdos. Em terras cariocas, além de se dedicar aos estudos, ele descobriu a arte naif (arte simples e não acadêmica de criações únicas e originais) e se profissionalizou, vendendo seus quadros aos turistas. Só mais tarde, após retornar para Recife e expor seus trabalhos em galerias e exposições de arte é que finalmente sua capacidade artística foi enfim reconhecida e valorizada.


Apreciar as telas de Militão dos Santos é viajar profundamente para a essência da pátria brasileira, visualizando fascinado as nossas velhas e maravilhosas tradições do interior do país. Lá estão as festas juninas, as Folias de Reis, as feiras e os casamentos do interior, o circo mambembe, o Bumba Meu Boi, o Carnaval de Olinda, o nosso rico folclore, os nossos coloridos pássaros, a Santa Ceia bem nordestina e até a tão famosa Passarela do Álcool de Porto Seguro. 
A arte de Militão é simples e ao mesmo tempo sofisticada, é redundante mas original, é brasileiríssima mas universal. Um colírio para os olhos e uma alegre e agradável volta às nossas raízes. Veja mais do seu trabalho no site: militaodossantos.com.
Um grande abraço espinosense.












quarta-feira, 24 de junho de 2015

1282 - 50 anos de um canção eterna

50 anos de existência! E continua tão marcante, linda, revolucionária, atual, ácida e completamente genial tal qual foi criada. Não, não é aniversário de nenhum ser humano de vital importância para o mundo ou pessoa por quem tenho grande amor. É apenas uma canção, mas que canção!
Trata-se de "Like a Rolling Stone", brilhantemente concebida na notável e privilegiada mente do cantor e compositor norte-americano Bob Dylan e gravada no Estúdio A da Columbia Records, na Seventh Avenue, nº 799, em Nova Iorque, nos dias 15 e 16 de junho de 1965, época de explosivas turbulências políticas e sociais em todo o mundo.
Com 6 minutos e 6 segundos, a música, este verdadeiro clássico do rock, incluída no álbum "Highway 61 Revisited", considerada por muitos como a mais importante canção popular da história, marcou uma época de radicais transformações não só no cenário musical, mas sobretudo na sociedade norte-americana, catapultando definitivamente o seu criador como um ícone mundial.
Dylan já fazia grande sucesso com seus folks, blues e suas canções de protestos. Mas a forma musical era aquela tradicionalíssima de voz e violão, com a adição da sua inseparável gaita. Aí veio "Like a Rolling Stone" para detonar tudo isso e operar a revolução musical não só na sua carreira, mas em todo o panorama artístico da época. Por ter aderido inesperadamente e de forma bombástica ao processo de eletrificação da sua música, Bob Dylan angariou críticas pesadas e até foi chamado de Judas por muitos admiradores puristas e conservadores.
Com produção de Tom Wilson, a gravação contou com a participação de Mike Bloomfield na guitarra, Paul Griffin no piano, Bobby Gregg na bateria e Joseph Macho no baixo, com Al Kooper nos teclados. Diz a lenda que o guitarrista Al Kooper estava ali no estúdio como convidado só para assistir à gravação e nem tocava muito bem o órgão Hammond, mas resolveu dar um pitaco que viria a ser fundamental na gravação final da música. Dylan gostou do seu improviso e do seu riff no instrumento, que automaticamente foi incluído na gravação e se tornou um diferencial inesquecível. A música foi lançada como um single ao lado de "Gates of Eden" e posteriormente incluída no álbum "Highway 61 Revisited", conseguindo atingir a segunda posição nas paradas americanas, atrás apenas de "Help!" dos Beatles.

Até hoje pairam dúvidas sobre a quem se destina a música, definida pelo próprio Dylan como um acesso de vômito de seu ódio constante. Os versos frenéticos e vingativos ganharam o mundo e fizeram a música ser reconhecida como uma das mais importantes da história, talvez a melhor de todas. No ano de 2014, os manuscritos originais da música foram arrematados por nada menos que 2 milhões de dólares em um leilão, um recorde.
Muitos artistas fizeram as suas versões da canção, e os que mais se destacaram foram os Rolling Stones, Jimi Hendrix, Seal (com Jeff Beck na guitarra) e o Green Day. 
Veja aqui um vídeo interativo sensacional de "Like A Rolling Stone", disponibilizado no site do artista, com possibilidade de escolher entre 16 opções de visualização, com personagens diferentes em canais de TV cantando a música. Não deixe de ver, é muito legal.  
É como diz a sabedoria popular: música boa não tem idade.
Um grande abraço espinosense.

Like a Rolling Stone
Bob Dylan

Once upon a time you dressed so fine
You threw the bums a dime in your prime, didn't you?
People'd call, say,
"Beware doll, you're bound to fall"
You thought they were all kiddin' you
You used to laugh about
Everybody that was hangin' out
Now you don't talk so loud
Now you don't seem so proud
About having to be scrounging for your next meal.

How does it feel?
How does it feel
To be without a home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

You've gone to the finest school all right, Miss Lonely
But you know you only used to get juiced in it
And nobody has ever taught you how to live on the street
And now you find out you're gonna have to get used to it
You said you'd never compromise
With the mystery tramp, but now you realize
He's not selling any alibis
As you stare into the vacuum of his eyes
And ask him do you want to make a deal?

How does it feel?
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

You never turned around
to see the frowns on the jugglers and the clowns
When they all did tricks for you
You never understood that it ain't no good
You shouldn't let other people
get your kicks for you
You used to ride on the chrome horse
with your diplomat
Who carried on his shoulder a Siamese cat
Ain't it hard when you discover that
He really wasn't where it's at
After he took from you everything he could steal.

How does it feel?
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

Princess on the steeple and all the pretty people
They're drinkin', thinkin' that they got it made
Exchanging all kinds of precious gifts and things
But you'd better lift your diamond ring,
you'd better pawn it babe
You used to be so amused
At Napoleon in rags
and the language that he used
Go to him now, he calls you, you can't refuse
When you got nothing, you got nothing to lose
You're invisible now,
you got no secrets to conceal.

How does it feel?
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?



Perdida na Vida
Bob Dylan

Houve uma época que você se vestia tão bem,
Você atirava centavos pros mendigos no seu auge, não é?
Pessoas anunciavam, diziam,
"Tome cuidado, boneca, você está destinada a cair",
Você pensava que estavam todos brincando com você,
Você costumava rir disso,
Todo mundo que estava desperdiçando tempo,
Agora você não fala tão alto,
Agora você não parece tão arrogante,
A respeito de ter de pedir sua próxima refeição.

Qual a sensação?
Qual a sensação de ficar sem um lar?
Como uma completa desconhecida, como uma perdida na vida?

Você frequentou os melhores colégios, não, Srta. Solitária,
Mas você sabe que só costumava ser espremida neles,
E ninguém jamais te ensinou como viver na rua,
E agora você descobre que vai ter de se acostumar a isso,
Você disse que nunca se comprometeria,
Com a jornada de trabalho, mas agora você percebe que,
Ele não está negociando nenhum pretexto,
Enquanto você olha dentro do vazio dos olhos dele,
E pergunta-lhe: "você quer fazer um acordo?"

Qual a sensação?
Qual a sensação de estar por sua própria conta, sem nenhum rumo para casa?
Como uma completa desconhecida, como uma perdida na vida?

Você nunca se voltou para ver o olhar carrancudo dos malabaristas e palhaços,
Quando eles faziam truques para você,
Você nunca compreendeu que isso é inútil,
Você não devia permitir que outras pessoas levassem seus chutes no seu lugar,
Você costumava andar no cavalo cromado com seu diplomata,
Que carregava em seus ombros um gato siamês,
Não é duro quando você descobre que ele realmente não estava onde está,
Após ele tirar de você tudo que podia roubar?

Qual a sensação?
Qual a sensação de estar por sua própria conta,
Sem nenhum rumo para casa?
Como uma completa desconhecida,
Como uma perdida na vida?

Princesa na torre e todas as lindas pessoas,
Estão bebendo, pensando que já têm a vida ganha,
Trocando todos os tipos de presentes e coisas valiosas,
Mas seria melhor que você levantasse seu anel de diamante,
Seria melhor você penhorá-lo, babe,
Você costumava ficar tão entretida (por) aquele Napoleão vestido em trapos,
e a linguagem que ele usava,
Vá para ele agora, ele te chama, você não pode recusar,
Quando você não tem nada, você não tem nada a perder,
Você está invisível agora,
Você não tem segredos para esconder.

Qual a sensação?
Qual a sensação de estar por sua própria conta, sem nenhum rumo para casa?
Como uma completa desconhecida, como uma perdida na vida?

Fonte: vagalume.com.br






segunda-feira, 22 de junho de 2015

1281 - Minas é o grande campeão do Campeonato de Veteranos

O campo não é o mais apropriado para se praticar um futebol de alta qualidade, já que não é gramado, nem murado, muito menos possui arquibancadas e oferece conforto para os torcedores. Mas nada disso diminui a força e a determinação dos espinosenses amantes da bola. 
Pois foi lá no famoso La Bombonera do Bairro Ponte Nova que ocorreu, neste domingo, a final do Campeonato de Veteranos de Espinosa, organizado pelos desportistas Toni Baiano e William, com apoio do Sucatão e do Supermercado Servlar. 
As equipes do Minas e do Bar do Josias chegaram à grande final depois de vencerem, nas semifinais, as equipes do La Bombonera e do Ypiranga, respectivamente. Na finalíssima, disputada na manhã deste domingo, 21 de junho, a equipe do Minas foi mais eficiente e conquistou o título de campeão.
Tenho acompanhado, mesmo à distância, o grande trabalho realizado pelo entusiasmado desportista Toni Baiano que além da promoção deste evento, promove um campeonato de futsal na quadra do Bairro Cigano e mantém um time feminino de futsal, o 8 D´Março. 
Na oportunidade, agradeço as suas fotos que eu, mesmo sem permissão, estou usando nesta postagem. Espero que não se enraiveça comigo por isso.



Minas, Campeão

Bar do Josias, Vice-campeão
É disso que precisamos, de pessoas amantes do esporte na cidade que se dediquem a promover competições, dar oportunidades sadias aos jovens e descobrir talentos nas mais diversas modalidades esportivas. Parabéns a ele e a todos os outros que estão firmes nesta difícil batalha. Vocês tem o meu reconhecimento!
Um grande abraço espinosense.

1280 - Pathy, mais uma vez campeã!

Para alegria de todos nós, espinosenses, a nossa grande atleta Ana Patrícia Silva Ramos, a Pathy, mais uma vez sobe ao pódio em uma competição internacional. Desta vez ela se sagrou campeã, ao lado da parceira Elize Maia Secomandi Giorni, no Desafio Internacional de Vôlei de Praia Monte Carlo Beach Volley 2015, disputado neste final de semana no Principado de Mônaco, na França. Depois de passar pelas duplas Janne Pedersen/Cindy Treland (Noruega), Gabriela Filippo/Michelle Valiente (Paraguai), Flore Gravensteijn/Julia Wouters (Holanda) e Rachel Cockrell/Camille Saxton (Canadá), esta última na semifinal, a dupla brasileira Pathy/Elize venceu a dupla francesa Alexandra Jupiter/Ophelie Lusson por 2 x 0 e levou a medalha de ouro da competição. A medalha de bronze ficou com a dupla paraguaia Gabriela Filippo e Michelle Valiente, que venceram a dupla canadense por 2 x 1 na disputa do terceiro lugar. Fonte: oliveirajunior2.blogspot.com.
Parabéns à Pathy por mais essa brilhante conquista que só nos enche de orgulho.
Um grande abraço espinosense.  


sábado, 20 de junho de 2015

1279 - Fisiculturista espinosense Joyce é destaque em competição de BH

Mais uma importante conquista do esporte espinosense aconteceu neste sábado, em competição de fisiculturismo realizada em Belo Horizonte. A personal trainer da Academia Elite Fitness, Joyce Adriana, conseguiu o título de vice-campeã na categoria wellness até 163 cm, no Campeonato Mineiro promovido pela IFBB Minas - Federação Mineira de Culturismo.
Com apoio dos patrocinadores Fertagro, PHD Contabilidade, Computec e LUDUS, a atleta espinosense traz para Espinosa um troféu pelo segundo lugar conquistado na competição estadual, estando classificada para a competição nacional.
Parabéns à Joyce Adriana pela forte dedicação ao esporte e que seu triunfo sirva de exemplo para mais garotos e garotas de Espinosa buscarem a realização nesta modalidade. Parabéns também ao Bruno Figueiredo pelo apoio incondicional dado à sua namorada na concorrida disputa pelo título.
Um grande abraço espinosense.





1278 - Espinosenses de destaque em Montes Claros

O Jornal de Espinosa, bravamente capitaneado pelo jornalista Wagner Oliva, está promovendo um evento para premiar e reunir os conterrâneos que residem e brilham na cidade de Montes Claros. A celebração acontecerá no dia 7 de julho, uma terça-feira, às 21 horas, no Auditório da AMAMS - Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene, localizado na Avenida Major Alexandre Rodrigues, nº 416, Bairro Ibituruna.
Os homenageados foram indicados através da página do Jornal de Espinosa no Facebook e do e-mail "espinosadestaques@yahoo.com.br" durante as últimas semanas, por seus leitores.
O evento tem o apoio da AMAMS e os patrocínios da Minas Poços, da Loja do Vagno, do Supermercado Miranda, da Amil, da Madefort - Madeiras e Marmoraria, da União Agropecuária e da Distribuidora Pontal Gás. Maiores informações poderão ser recebidas através do telefone (38) 9114-1908.

Vejam a relação dos homenageados divulgados até o presente momento:

Adézia Ribeiro Tolentino - Orientadora e Educadora Social na LBV
Adriana Caldeira Jorge Fialho - Fisioterapeuta
Adriano Campos Cruz - Procurador da AGU - Advocacia Geral da União
Alberto Cruz Braga - Médico
Antônio Eustáquio Freitas Tolentino - Funcionário do Banco do Brasil
Armênio Luciano Batista Sobrinho - Empresário
Clóves Alberto Mendes - Funcionário Público Federal - Codevasf
Daniella Antunes da Cruz Damianni - Bioquímica
Eduardo Robson Monteiro Tolentino - Médico
Fernando Brito - Funcionário Público Federal
Franciano Almeida Rocha - Empresário
Geraldo Marcos Tolentino - Monsenhor e Padre da Paróquia Sagrado Coração de Jesus
Gessandro Elpídio Fernandes Barbosa - Médico
Gilberto Pedro Rodrigues - Médico
Gláucia Antunes Cruz - Advogada
José Geraldo Rodrigues Tolentino - Funcionário do SAMU
José Socorro Cardoso - Empresário
Karla Patrícia Sepúlveda Alves - Cirurgiã Dentista
Lindacy Antunes Lopes - Vice-diretora de Escola Estadual
Lorenzo Leme de Castro - Investigador da Polícia Civil
Maria Célia Alves Mendes - Servidora do Tribunal de Justiça
Maria das Graças Gonçalves Dias - Empresária
Maria José Tibo Cardoso - Funcionária do Banco Itaú
Mariana Caldeira Silveira - Cirurgiã Dentista
Patrícia de Souza Rocha Parrela - Funcionária da CEMIG
Renato Amarante - Gerente dos Correios
Ricardo Ribeiro da Cruz - Consultor Imobiliário
Roberto Carlyle Gonçalves Lopes - Funcionário aposentado do Banco do Brasil
Roberto Ramos do Nascimento - Corretor de Seguros
Rodrigo Baleeiro Silva - Engenheiro de Controle e Automação
Thiago Cruz de Pádua - Engenheiro Civil
Valéria Mourão Sepúlveda - Empresária
Vilma Pereira Cerqueira Maia Prates - Funcionária da CEMIG
Werneck Caldeira - Empresário

Um grande abraço espinosense.


1277 - A elegância dos bons tempos

Já há algum tempo, recebi de presente essa velha fotografia de Ernane Alves Freitas, filho de Badú e Lina, neto do meu Tio Didi Freitas. Nela estão retratados três casais e mais um elegante senhor que traz nas mãos uma edição da outrora famosa revista "O Cruzeiro", revista semanal ilustrada que foi uma das mais importantes do país e que tinha como uma das maiores atrações a página de humor com o lendário personagem "O Amigo da Onça", de Péricles. A revista era editada pelos Diários Associados, império das comunicações de propriedade do polêmico jornalista Assis Chateaubriand, e foi publicada entre novembro de 1928 a julho de 1975.
Voltando à imagem, não tenho conhecimento de quem são os elegantes senhores e senhoras retratados em alguma ocasião cerimoniosa, pelo que aparenta. Se alguém conseguir identificá-los, por gentileza enviem mensagem para o nosso blog.
Um grande abraço espinosense.


1276 - Mais uma perda em Espinosa: morre Zé da Água

Notícia vinda de Espinosa traz a tristeza de mais uma importante perda para a nossa comunidade. José Anésio dos Santos, amplamente conhecido como Zé da Água, faleceu ontem, dia 19 de junho de 2015. 
Se não me engano, o apelido surgiu em virtude de ter sido ele o responsável, durante muito tempo, pelo fornecimento de água de Espinosa, em certa época captada diretamente do manancial do Impossível, quando a cidade era bem pequenina e a população da zona rural era bem maior. Lembro-me também, vagamente, de um bar que funcionou um certo tempo na garagem da sua casa, bem ali no centro da cidade, na Praça da Matriz, onde íamos jogar sinuca para nos divertir na juventude.
Mais uma perda de alto valor para a sociedade espinosense, de um cidadão digno, trabalhador, sereno e propagador da paz. Ao Zé Lúcio e a todos os familiares e amigos, os meus sinceros sentimentos de tristeza. Que ele descanse em paz ao lado do Pai.
Um grande abraço espinosense. 

  

quinta-feira, 18 de junho de 2015

1275 - America e seu eterno "Cavalo Sem Nome" no Brasil

Eles tem 45 anos de carreira e criaram uma das canções que mais embalam o meu coração desde quando a ouvi no rádio há muito tempo atrás. E estão em turnê pelo Brasil, com show agendado para acontecer hoje à noite em Belo Horizonte, às 21h30, no Chevrolet Hall. Depois, ainda se apresentam no Rio de Janeiro (19 de junho), em São Paulo (21) e em Porto Alegre (23).
Trata-se da banda de folk rock britânica America, que fez enorme sucesso nos anos 70 e venderam milhões de discos desde então.
Formada originalmente por Gerry Beckley (vocal, piano, teclados, guitarras, baixo e gaita), Dan Peek (vocal, guitarras, baixo, teclados e gaita) e Dewey Bunnell (vocal e guitarras), o America conquistou o mundo com suas canções acústicas, leves e melodiosas, emplacando hits eternos como "I Need You", "Sister Golden Hair" e a melhor de todas, "A Horse with No Name". A banda teve várias formações na sua trajetória, inclusive com a saída de Dan Peek em 1977. Ele faleceu em 2011, com 60 anos de idade. 
O sucesso estrondoso dos anos 70 não se repetiu nas décadas seguintes, mas o America, contando agora apenas com Gerry e Dewey, continua na estrada tocando os seus velhos sucessos e conquistando novos admiradores pelo mundo. Música boa não tem idade!
Um grande abraço espinosense.


Discografia
1971 - America
1972 - Homecoming
1973 - Hat Trick
1974 - Holiday
1975 - Hearts
1975 - History: America's Greatest Hits
1976 - Hideaway
1977 - Harbor
1977 - America Live
1979 - Silent Letter
1980 - Alibi
1981 - America´s Gold
1981 - Live In Central Park (Laser disc/VHS/DVD)
1982 - A View from the Ground
1982 - The Last Unicorn - (trilha sonora)
1983 - Your Move
1984 - Perspective
1985 - America In Concert
1990 - The Very Best of America
1991 - Encore: More Greatest Hits
1991 - The Very Best (Italian Import)
1992 - Ventura Highway and Other Favorites
1994 - Hourglass
1995 - America In Concert (King Biscuit)
1995 - Horse With No Name (Music/Video CD)
1995 - Live In Germany '95 (German TV)
1996 - You Can Do Magic
1996 - Premium Gold Collection
1996 - Centenary Collection
1998 - Human Nature
1998 - Best of MusikLaden: America (DVD/VHS)
1998 - The Legendary America
1998 - Happenstance (Japan Import)
1998 - Honor Bound (Japan Import)
1999 - America 2 CDs
1999 - Greatest Hits
1999 - Live In Germany '99 (German TV)
1999 - The Best Of America
2000 - Highway 30 Years of America - (box set)
2000 - Live
2001 - A Horse With No Name (German Import)
2001 - Hits You Remember Live
2001 - The Definitive America
2001 - The Complete Greatest Hits
2001 - Homecoming (DVD-Audio)
2001 - In Concert - Ohne Filter (German DVD)
2001 - The Last Unicorn (German Import)
2002 - Ventura Highway (Dutch Import)
2002 - Holiday Harmony
2002 - The Best of the Beat-Club Live: America
2002 - The Grand Cayman Concert
2002 - Complete Greatest Hits
2004 - America In Concert - Live At The Sydney Opera House (DVD)
2004 - A Horse With No Name And Other Hits
2004 - Struttin' Our Stuff (German CD)
2004 - Essential America (Phillipines Import)
2005 - Live At Central Park 1979 (DVD)
2006 - America & Friends - Live At The Ventura Theatre (DVD+CD)
2006 - Collectables Classics (4 CD Box Set)
2006 - America - Live From Mexico
2006 - The Definitive Pop Collection
2007 - Here And Now
2007 - Live From Chicago DVD
2007 - Live From Wildwood Springs
2007 - Back Pages
fonte: wikipedia.org e venturahighway.com

A Horse with No Name

On the first part of the journey
I was looking at all the life
There were plants and birds and rocks and things
There was sand and hills and rings
The first thing I met was a fly with a buzz
And the sky with no clouds
The heat was hot and the ground was dry
But the air was full of sound
I've been through the desert on a horse with no name
It felt good to be out of the rain
In the desert you can remember your name
'Cause there ain't no one for to give you no pain
La, la, la, la,la la, la, la, la, la,
After two days in the desert sun
My skin began to turn red
After three days in the desert fun
I was looking at a river bed
And the story it told of a river that flowed
Made me sad to think it was dead
You see I've been through the desert on a horse with no name
It felt good to be out of the rain
In the desert you can remember your name
'Cause there ain't no one for to give you no pain
La, la, la, la, la, la, la, la, la, la, la
After nine days I let the horse run free
'Cause the desert had turned to sea
There were plants and birds and rocks and things
there was sand and hills and rings
The ocean is a desert with it's life underground
And a perfect disguise above
Under the cities lies a heart made of ground
But the humans will give no love
You see I've been through the desert on a horse with no name
It felt good to be out of the rain
In the desert you can remember your name
'Cause there ain't no one for to give you no pain
La, la, la, la, la, la, la, la, la, la

Um Cavalo Sem Nome

Na primeira parte da jornada
Eu estava olhando para toda a vida
Havia plantas, pássaros, pedras e coisas
Havia areia, montanhas e anéis
A primeira coisa que eu encontrei foi uma mosca voando
E o céu sem nuvens
O calor estava quente e o chão estava seco
Mas o ar estava cheio de som
Eu atravessei o deserto num cavalo sem nome
Foi bom sair da chuva
No deserto você pode se lembrar do seu nome
Porque lá não há ninguém para te aborrecer
La, la, la, la, la, la, la, la, la
Depois de dois dias sob o sol do deserto
Minha pele começou a ficar vermelha
Depois de três dias na alegria do deserto
Eu estava olhando para um leito de rio
E a história que ele contou sobre um rio que corria
Deixou­me triste em pensar que ele estava morto
Veja, eu atravessei o deserto num cavalo sem nome
Foi bom sair da chuva
No deserto você pode se lembrar do seu nome
Porque lá não há ninguém para te aborrecer
La, la, la, la, la, la, la, la, la
Depois de nove dias eu libertei o cavalo
Porque o deserto tinha virado mar
Havia plantas, pássaros, pedras e coisas
Havia areia, montanhas e anéis
O oceano é um deserto com a vida submersa
E um disfarce perfeito por cima
Sob as cidades há um coração feito de chão
Mas os humanos não darão nenhum amor
Veja, eu atravessei o deserto num cavalo sem nome
Foi bom sair da chuva
No deserto você pode se lembrar do seu nome
Porque lá não há ninguém para te aborrecer
○ La, la, la, la, la, la, la, la, la

 


quarta-feira, 17 de junho de 2015

1274 - Forró na Praça 2015 em Espinosa

Mês de junho, tempo de muita festa e alegria no nosso Sertão. Faz parte da nossa tradição sertaneja comemorar com bastante entusiasmo as datas dedicadas aos santos Antônio, Pedro e João, este último com mais ênfase ainda. Pena que a noite de São João não seja mais como antigamente, tal qual a minha memória jamais esquece, quando a minha Rua da Resina ficava intransitável para os carros, com tantas fogueiras acesas e que serviam para o aquecimento contra o frio e para as brincadeiras das dezenas de crianças que ali moravam. Soltar traques, bombas, chuvinhas e estalos de salão, pular a fogueira e até assar batata eram compromissos que não podiam faltar. Tempo bom demais!
Nos tempos atuais isso ainda se repete, não mais nas ruas da cidade, mas nos vários sítios da zona rural ou talvez em lugares mais afastados do centro, mantendo a chama acesa do amor às velhas e prazerosas tradições.
Para animar a população de Espinosa, a Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos e Secretaria Municipal de Esporte Lazer e Turismo, está promovendo o evento designado "Forró na Praça", com apresentação de quadrilhas, shows e venda de comidas típicas. O local escolhido foi a Praça Geraldo Ramos de Oliveira, também conhecida como Praça da Meteorologia. Só para esclarecer, o nome da praça homenageia o vice-prefeito de Espinosa na gestão Horácio Cerqueira Tolentino (entre 1973 e 1977) e é chamada de Praça da Meteorologia por ali ter funcionado durante algum tempo a estação meteorológica da cidade, muito bem comandada pelo saudoso Domingão de Gino.
Um grande abraço espinosense e divirtam-se! Mas lembrem-se, sempre em clima de paz e harmonia. 


Confira a programação do evento junino:

19 de junho - Sexta-feira
20h - Quadrilha da Escola Municipal Wanda Paim
22h - Show de Judson Monteiro
20 de junho - Sábado
20h - Apresentação do Pau de Fita
21h30 - 1º Encontro de Sanfoneiros e Forrozeiros de Espinosa
26 de junho - Sexta-feira
20h - Quadrilha S.C.F.V da Comunidade do Mingu
22h - Show do Grupo Tempero Musical
27 de junho - Sábado
20h - Quadrilha do EJC
22h - Show de Jean Karlo e Stradeiro

1273 - Um ato de humildade de um grande homem

Em todas as religiões, e até fora delas, existem homens especiais, de bom coração, grande dignidade e com um carisma extraordinário para propagar a paz e a palavra de Deus. Na Igreja Católica temos um deles, o seu atual líder, o Papa Francisco, argentino de origem e cidadão do mundo. Em várias oportunidades ele demonstrou o seu carisma e a sua incrível humildade. Como neste vídeo em que ele aparece fazendo uma visita a uma comunidade pobre nos arredores de Roma no dia 8 de fevereiro de 2015. Na comunidade residem humildes trabalhadores provenientes da América do Sul, como peruanos e equatorianos. Isso pode ser confirmado quando o Papa Francisco pergunta quantos falam castelhano e eles respondem em uníssono: todos!
O fato aconteceu quando o Papa fazia uma visita pastoral à Paróquia de S. Michele Arcangelo em Pietralata e resolveu conhecer a favela de Ponte Mammolo em Roma. Um exemplo de humildade e desapego às comodidades do cargo que exerce. 
Cada gesto seu neste caminho da simplicidade, da beneficência e do respeito às pessoas, só aumenta a minha admiração por ele, verdadeiramente um homem sagrado. Vida longa ao Papa Francisco!
Um grande abraço espinosense.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

1272 - As barraquinhas da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus

Nesta semana que passou, a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, que engloba os bairros Jardim Panorama, Vila Oliveira e Vila Mauriceia aqui em Montes Claros, esteve em festa pela comemoração do dia do seu padroeiro. Foram instaladas várias barraquinhas ao lado da igreja para atendimento aos moradores da comunidade, com oferecimento de comidas típicas das festas juninas, bebidas e outras iguarias. Em toda a semana houve missas seguidas de shows musicais, reunindo os paroquianos em torno da área de convivência da igreja, sempre em clima de alegria, paz e harmonia.
Para não ficar indiferente ao período das tradicionais festas de junho, o grupo de jovens da paróquia criou e apresentou a sua versão moderna do casamento na roça e da quadrilha de São João, conquistando muitas risadas e aplausos. Na oportunidade, também foi sorteada uma televisão de 40 polegadas. Todo o valor arrecadado na festa será destinado à construção da torre da igreja, um velho sonho da comunidade.
Merece aplausos o carismático líder da paróquia, o espinosense Monsenhor Tolentino, bem como todas as pessoas da comunidade que se dedicaram dia após dia, doando seu tempo e seu trabalho para que a festa do padroeiro fosse um sucesso. Que Deus os recompense com a sua glória!
Um grande abraço espinosense.











   

domingo, 14 de junho de 2015

1271 - Animação e alegria no Arraiá da AABB

Como já virou tradição, início de junho é tempo de reunir os associados da Associação Atlética Banco do Brasil de Montes Claros para comemorar as festas juninas, com muita música, comidas típicas, animação, alegria e o sentimento de amizade e confraternização.
E foi isso o que aconteceu na noite deste sábado, 13 de junho, com a realização do tradicional Arraiá da AABB. Com decoração apurada, farta oferta de bebidas e comidas típicas, show das bandas Xole Furado e Toque Xote e até um espaço reservado para apresentação de um DJ, a festa entrou pela madrugada do domingo em ritmo de muito forró e entusiasmo.
O evento é um dos mais importantes da programação anual da AABB Montes Claros, pois além de manter viva a tradição das festas juninas, ainda proporciona uma oportunidade especial para reunir os associados e suas famílias, promovendo uma interação mais próxima dos amigos que constantemente frequentam o clube. 
Confiram abaixo algumas imagens do Arraiá da AABB 2015.  
Um grande abraço espinosense.