Espinosa, meu éden

Espinosa, meu éden

terça-feira, 24 de maio de 2016

1526 - Os quatro sobreviventes na Libertadores


Na noite desta terça-feira, 24 de maio, ficamos conhecendo o último dos quatro sobreviventes na disputa da maior competição de futebol da América, a Copa Bridgestone Libertadores. Ao término da partida de volta entre o Pumas e o Independiente del Valle, o time equatoriano assegurou a sua passagem para a fase semifinal do torneio ao vencer nos pênaltis, depois da derrota pelo placar de 2 x 1, no Estádio Olímpico Universitário, na Cidade do México. Na primeira partida, disputada no Equador, o Independiente del Valle havia vencido por 2 x 1. O Pumas começou com tudo e logo fez dois gols, com o atacante argentino Ismael Sosa, aos 15 e 17 minutos do primeiro tempo. No início da segunda etapa, o Independiente teve um jogador expulso, mas mesmo assim conseguiu anotar o seu gol, em cobrança de falta aos 21 minutos, através de um bom chute de Sornoza. Com a igualdade no placar da primeira partida, a decisão foi para os pênaltis. Cortez converteu para o Independiente. Herrera fez para o Pumas. Tellechea também faz o seu, assim como Ludueña. José Angulo marcou. Na batida do artilheiro da noite, Ismael Sosa, o goleiro Azcona defendeu a cobrança. Caicedo bateu com perfeição, no alto, sem chance para Palacios. Faltava só confirmar a cobrança de Mina para o surpreendente Independiente se classificar. E foi o que aconteceu, com méritos para o time que sonha com o seu primeiro título na competição. Com este resultado, o Independiente del Valle se classificou para enfrentar o poderoso e temido Boca Juniors em uma das semifinais da Libertadores. 

PUMAS 2 x 1 INDEPENDIENTE DEL VALLE
Pênaltis:  3 x 5

PUMAS: Alejandro Palacios; Alatorre, Gerardo Alcoba, Dario Verón e Luis Fuentes; Hibert Ruiz, Javier Cortés (Ludueña) e Matías Britos (Dante López); Ismael Sosa, Eduardo Herrera e Luis Quiñónes (Fidel Martínez). 
Técnico: Guillermo Vázquez.

INDEPENDIENTE DEL VALLE: Azcona; Christian Núñez, Arturo Mina, Luis Caicedo e Luis Ayala; Dixon Arroyo (Tellechea), Orejuela e Sornoza (Uchuari); Julio Angulo (Gabriel Cortez), José Angulo e Bryan Cabezas.
Técnico: Pablo Repetto.


A disputa da fase de quartas de final foi emocionante, como não poderia deixar de ser. 
O Boca Juniors, o segundo maior ganhador de títulos na história da Libertadores, com 6 conquistas (1977, 1978, 2000, 2001, 2003 e 2007), passou com dificuldades pelo Nacional. Na primeira partida, jogada no Uruguai, houve empate em 1 x 1. Na partida decisiva, no histórico Estádio La Bombonera completamente lotado, novo empate em 1 x 1, com gol contra (do zagueiro Cata Díaz) e expulsão de jogador (o atacante Pavón, depois de tirar a camisa na comemoração do gol de empate) do Boca. A decisão então foi para os pênaltis e aí valeu a tradição, com a vitória do Boca Juniors por 4 x 3, eliminando o Nacional. Na semifinal o Boca enfrentará o Independiente del Valle.

BOCA JUNIORS 1 X 1 NACIONAL
Pênaltis: 4 x 3

BOCA JUNIORS: Orión; Peruzzi, Insaurralde, Cata Díaz e Fabra; Leonardo Jara, Marcelo Meli (Carrizo), Pablo Pérez e Tévez; Pavón e Andrés Chávez (Sebastián Palacios).
Técnico: Guillermo Schelotto.

NACIONAL: Esteban Conde; Fucile, Victorino, Polenta e Espino, Gonzalo Porras, Santiago Romero e Felipe Carballo; Léo Gamalho, Leandro Barcia (Rodrigo Amaral) e Seba Fernández.
Técnico: Gustavo Munúa.

   
Outra batalha heroica pela classificação às semifinais aconteceu no confronto entre Atlético Nacional e Rosario Central no Estádio Atanasio Girardot. Depois de vencer em seus domínios por 1 x 0, o Rosario poderia empatar e até perder por um gol de diferença, desde que marcasse um gol. E logo no início da partida, aos 8 minutos, o Rosario fez o seu gol, de pênalti, com Marco Rubén. Com esse cenário, o Atletico Nacional teria que fazer milagres e marcar três gols, sem levar mais nenhum. E como o futebol é mesmo espetacular, o milagre aconteceu e já no finalzinho da partida, com o terceiro gol marcado por Berrío. Alejandro Guerra e Macnelly Torres já haviam marcado os primeiros dois gols. Aí foi uma loucura geral, com invasão de campo pela torcida e muita confusão, resultando em algumas expulsões de lado a lado. O resultado foi amplamente justo, com predomínio total do Atletico Nacional na partida. Agora a equipe "verdolaga" enfrentará o São Paulo na semifinal.

ATLÉTICO NACIONAL 3 x 1 ROSARIO CENTRAL

ATLÉTICO NACIONAL: Armani; Bocanegra, Davinson Sánchez, Henríquez e Farid Díaz; Mejía, Alejandro Guerra, Sebastián Pérez (Berrío) e Macnelly Torres (Castañeda); Marlos Moreno e Copete (Ibargüen).
Técnico: Reinaldo Rueda.

ROSARIO CENTRAL: Sebastián Sosa; Salazar, Burgos, Donatti e Pablo Álvarez (Villagra); Montoya (Gil Romero), Musto, José Fernández e Cervi; Herrera (Lo Celso) e Marco Rubén.
Técnico: Eduardo Coudet.


No confronto brasileiro, não poderia ser diferente um jogo decisivo pelo maior torneio de clubes da América. Foi uma verdadeira batalha o confronto entre Atlético e São Paulo. Emoção à flor da pele. Como havia vencido a primeira partida disputada em casa, no Morumbi, por 1 x 0, o São Paulo tratou de se fechar na defesa e esperar o melhor momento para contra-atacar. E deu certo, já que em uma cobrança de escanteio, marcou o seu gol valiosíssimo e que lhe deu a classificação, mesmo com a derrota
No Estádio Independência, completamente lotado de apaixonados atleticanos e debaixo de um barulho infernal, o São Paulo mostrou a sua força e tradição e eliminou o Atlético da Libertadores, classificando-se para a disputa da semifinal da competição. A história tinha sido diferente no ano de 2013, ano em que o Galo se sagrou campeão, quando o time alvinegro passou pelo São Paulo nas oitavas de final com uma exuberante vitória de 4 x 1 no estádio do Horto, logo após vencer por 2 a 1, no Morumbi. Na noite da quarta-feira, 18 de maio, o resultado de 2 x 1 para o Galo favoreceu o tricolor paulista, por ter marcado um gol no campo do adversário.
O Atlético entrou em campo precisando da vitória por 1 x 0 para levar a decisão para os pênaltis ou de uma vitória mais elástica, com dois ou mais gols de diferença para se classificar de vez. Sem três titulares absolutos, Robinho, machucado, e Rafael Carioca e Júnior Urso, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, o Atlético começou em ritmo alucinado a partida, marcando logo dois gols, com Cazares, aos seis minutos, e com Carlos, aos onze. Só que um gol de cabeça feito pelo zagueiro Maicon logo em seguida, aos 14 minutos, complicou peremptoriamente a vantagem atleticana. Um verdadeiro banho de água fria. Mesmo com toda a luta dos jogadores alvinegros mineiros, o resultado permaneceu inalterado até o final e o São Paulo passou às semifinais, onde enfrentará o ótimo time do Atlético Nacional, equipe que me encantou e por quem irei torcer para que conquiste a taça e se torne campeã da América pela segunda vez na história. O Tricolor Paulista irá em busca do seu quarto título, após as conquistas de 1992, 1993 e 2005.

ATLÉTICO 2 X 1 SÃO PAULO

ATLÉTICO: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Erazo e Douglas Santos; Leandro Donizete, Eduardo (Dátolo) e Cazares; Patric (Clayton), Carlos (Carlos Eduardo) e Lucas Pratto.
Técnico: Diego Aguirre.

SÃO PAULO: Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes (Wesley), Michel Bastos (Matheus Reis), Paulo Henrique Ganso e Kelvin; Calleri (Alan Kardec).
Técnico: Edgardo Bauza.


Um grande abraço espinosense.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

1525 - Dois anos de muita saudade

Há exatos dois anos, no dia 20 de maio de 2014, um telefonema no meio da noite veio nos deixar completamente de joelhos, arrasados, perplexos, desorientados. A notícia que jamais poderíamos imaginar receber, a morte de Ricardinho em um trágico acidente automobilístico, caiu como uma bomba sobre as nossas cabeças, deixando-nos totalmente atônitos. Perder o pai e a mãe é muitíssimo doloroso, mas é um ciclo esperado da vida que os mais velhos se despeçam primeiro deste nosso mundo terreno. Quando o processo se inverte, com a ida prematura dos filhos, a dor é muito maior, podem ter certeza.
Mas a vida tem que continuar, mesmo com todas as suas agruras. Cada um de nós deve carregar a sua própria cruz, com todo o peso que Deus decidiu nos entregar, sem contestação e com toda a resignação.
Assim, em mais essa oportunidade, quero, em nome da minha família, agradecer de coração a todos aqueles que estiveram, e continuam, ao nosso lado, com seu carinho, seu apoio e suas orações. Que Deus os abençoe muitíssimo e os recompense em abundância pela solidariedade e pela amizade sincera.
Continuamos a nossa caminhada com toda a fé em Deus e a certeza de que, em algum lugar e tempo no futuro, estaremos nos reencontrando com o nosso amado Ricardinho, em completa paz e harmonia. 
Um grande abraço espinosense.

     

domingo, 22 de maio de 2016

1524 - O Choro das Três

Imagine uma família completamente musical, com talento de sobra em seus integrantes. E com três meninas abençoadas por Deus com a habilidade especial de tocar instrumentos musicais. Pois apresento a vocês o "Choro das Três", um grupo de chorinho genuinamente brasileiro.
As meninas-irmãs Corina, que toca a flauta; Lia, que toca o violão de 7 cordas; e a Elisa, que toca o bandolim, o clarinete, o banjo e o piano; formam o grupo "Choro das Três" ao lado do pai, Eduardo, que as acompanha tocando o pandeiro. A família musical é do interior de São Paulo, da cidade de Porto Feliz. O grupo toca basicamente o chorinho, alicerce da riquíssima música instrumental brasileira, que surgiu no Brasil no século XIX. Inicialmente apenas instrumental, o chorinho passou a ser cantado no início do século XX.



O choro (ou chorinho) surgiu no Rio de Janeiro por volta de 1870, tendo origem na fusão de ritmos europeus com ritmos afro-brasileiros, proporcionando alegres e criativas improvisações com o uso de instrumentos como violão, flauta, cavaquinho e pandeiro. Os primeiros compositores que enobreceram este gênero musical foram Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga. Mais tarde apareceram com destaque Jacob do Bandolim, Zequinha de Abreu, Waldir Azevedo, Pixinguinha, Ademilde Fonseca e Altamiro Carrilho.
Devido à sua importância no cenário da música brasileira, foi estabelecido o dia 23 de abril, data do nascimento do grande Alfredo da Rocha Vianna Filho, o Pixinguinha, como o Dia Nacional do Choro.
Atualmente, o Choro ainda é bastante prestigiado no Brasil, com criação de vários grupos que se dedicam à sua divulgação e modernização. Isso se estende até o exterior, com o grupo Choro das 3 estando em excursão pelos Estados Unidos, onde foram mostrar o poder e a qualidade da popular música brasileira.
Não há como não se encantar com essas meninas, com esse talento tão esplendoroso e a beleza inconteste do chorinho. Maravilhoso!
Um grande abraço espinosense.


Discografia do grupo:
Meu Brasil Brasileiro (2008 - Som Livre)

Escorregando (2012 - Macolé)
Boas Novas (2013 - Macolé)
Boca de Goiaba (2014 - Macolé)
Pé de Choro (2015 - Macolé)
Impressões, Impressions (2016 - Macolé)





terça-feira, 17 de maio de 2016

1523 - Pathy, nossa Menina de Ouro, é Campeã Mundial de Vôlei de Praia sub-21 na Suíça

Que coisa boa! Que maravilha! Mesmo com um pouco de atraso, em virtude da falta de tempo, nunca é tarde para comemorar as boas notícias. 
A nossa Menina de Ouro, Campeã Mundial de Vôlei de Praia nos Jogos Olímpicos da Juventude, em 2014, na China, volta a nos encher de orgulho e alegria. 
Ana Patrícia Silva Ramos, a espinosense Pathy, e sua parceira sergipana, Eduarda Santos Lisboa, a Duda, fizeram história ontem ao vencer o Mundial de Vôlei de Praia sub-21. A competição, promovida pela FIVB - Fédération Internationale de Volleyball, foi realizada na cidade de Lucerna, que fica na região central da Suíça, na parte do país onde se fala a língua alemã. Lucerna é a cidade mais populosa da Suíça Central, e um centro de transporte, de telecomunicações e de governo. Está localizada na margem do Lago de Lucerna (der Vierwaldstättersee), com vistas do Monte Pilatus e Rigi nos Alpes Suíços, um movimentado destino para os turistas. Uma ponte de madeira do século 14, da capela (Kapellbrucke), é um dos marcos famosos da cidade.


Pois foi nesse clima frio que as nossas meninas "arrebentaram". Ambas ainda com apenas 17 anos de idade, elas conquistaram o título de campeãs mundiais sub-21 sem perder nenhum set. Na fase inicial, ganharam os três jogos. Venceram as duplas Bustamante/Muno (USA), Tangkaeo/Pronsuda (THA) e Erika/Michelle (PAR). Logo em seguida, passaram firmes pela dupla brasileira Victoria/Andressa. Classificadas, enfrentaram e bateram a dupla holandesa Stubbe, J./Daalderop por 2 x 0 (21-19, 21-16), em 31 minutos de partida. Aí vieram as norte-americanas Sarah Sponcil e Torrey Van Winden nas semifinais e elas não tomaram conhecimento: 2 x 0, com 21-19 e 22-20, depois de 34 minutos de disputa. Restavam então apenas as russas no caminho para o tão sonhado título.
A final aconteceu na tarde do dia 16 de maio, segunda-feira. Duda e Pathy venceram com bastante competência as russas Nadezda Makroguzova e Svetlana Kholomina por 2 x 0, com resultados de 21 a 18 nos dois sets, em 33 minutos de luta acirrada na quadra. As medalhistas de prata nos Jogos Olímpicos da Juventude, as gêmeas canadenses Megan e Nicole McNamara, ficaram com a medalha de bronze, ao vencer as americanas Sarah Sponcil e Torrey Van Winden por 2 x 1 (18-21, 23-21, 15-10).




Se essa é apenas a segunda medalha conquistada por Pathy, Duda já tem muitas em sua curta carreira. Além da medalha dos Jogos da Juventude em 2014 (ao lado de Pathy), ela ganhou prata no 2013 sub-23, ouro no sub-19 em 2013 e 2014 (com parceiras diferentes) e duas de ouro (2016, Fortaleza e Maceió), uma de prata (2015, Puerto Vallarta) e uma de bronze (2015, Praga) com Elize Secomandi Maia, no World Tour. Mas tudo indica, e estaremos torcendo muito por isso, é que Pathy não ficará para trás e muitas outras conquistas virão em breve, coroando uma carreira vitoriosa da menina que nem sonhava jogar vôlei de praia, quanto mais ganhar o mundo no esporte. O céu é o limite, e com toda a sua dedicação, determinação e capacidade técnica, veremos certamente Pathy sempre no pódio, aumentando rapidamente a sua coleção de troféus e medalhas. 
Que assim seja, grande Bi-Campeã Mundial!

A vitoriosa campanha das Meninas de Ouro do Brasil:
   Data     Horário                Adversárias                        Placar                      Tempo de jogo
12-Maio - 10:40 - Bustamante/Muno (USA)                2 a 0 (21-17, 21-17) 31 minutos
12-Maio - 16:30 - Tangkaeo/Pronsuda (THA)              2 a 0 (21-10, 21-10)    23 minutos
13-Maio - 09:50 - Erika/Michelle (PAR)                       2 a 0 (21-09, 21-13)    26 minutos
14-Maio - 18:00 - Victoria/Andressa (BRA)                 2 a 0 (21-18, 21-13)    29 minutos
15-Maio - 15:30 - Stubbe, J./Daalderop (NED)             2 a 0 (21-19, 21-16)    31 minutos
16-Maio - 09:00 - Sponcil/Van Winden (USA)              2 a 0 (21-19, 22-20)    34 minutos
16-Maio - 16:00 - Makroguzova/Kholomina (RUS)      2 a 0 (21-18, 21-18)    33 minutos

Em 15 edições do Campeonato Mundial sub-21 de Vôlei de Praia, é a terceira vez que o Brasil conquista ao mesmo tempo o título de campeão nas modalidades feminina e masculina. Desde 2007 o Brasil não ganhava o torneio feminino. No masculino foram campeões os rapazes Arthur Diego Mariano Lanci, paranaense, e George Souto Maior Wanderley, paraibano.  
Eles venceram na final os mexicanos Gaxiola e Rubio por 2 sets a 0 (21/17, 22/20), após 37 minutos de partida. Eles já haviam vencido o Mundial sub-19 em Portugal, em 2014. Nesta edição, eles enfrentaram sete duplas adversárias, perdendo apenas três sets. A medalha de bronze ficou com a dupla Tigrito e Peter, da Venezuela.


Então, só nos resta, com muito orgulho no peito, parabenizar Ana Patrícia pela sua vitoriosa trajetória no esporte, ainda no início, mas já recheada de triunfos. E que o seu exemplo de sucesso possa contagiar e entusiasmar outros meninos e meninas da nossa Espinosa a se dedicarem ao esporte, trazendo a todos nós essa alegria tão extraordinária. Valeu, Pathy, orgulho de Espinosa! 
Um grande abraço espinosense.



  
Confira a relação dos campeões mundiais sub-21:

Masculino
2001 - França - Pedro Cunha/Anselmo (BRA)
2002 - Itália - Pablo Herrera/Raul Mesa (ESP)
2003 - França - Pedro Cunha/Pedro Solberg (BRA)
2004 - Portugal - Angel Amo/Inocencio Lario (ESP)
2005 - Brasil - Plavins/Samoilovs (LET)
2006 - Polônia - Bruno Schmidt/Pedro Solberg (BRA)
2007 - Itália - Giontella/Nicolai (ITA)
2008 - Inglaterra - Giontella/Nicolai (ITA)
2009 - Inglaterra - Kadziola/Szalankiewicz (POL)
2010 - Alanya - Garrett May/Sam Schachter (CAN)
2011 - Canadá - Popov/Samoday (UCR)
2012 - Canadá - Kantor/Losiak (POL)
2013 - Croácia - Allison/Guto (BRA)
2014 - Chipre - Michal Bryl/Kacper Kujawiak (POL)
2015 - Suíça - Arthur Lanci/George Souto (BRA)

Feminino
2001 - França - Shaylyn/Maria Clara (BRA)
2002 - Itália - Juliana/Taiana (BRA)
2003 - França - Morozova/Shiryaeva (RUS)
2004 - Portugal - Taiana/Carol (BRA)
2005 - Brasil - Carol/Camillinha (BRA)
2006 - Polônia - Carol/Bárbara Seixas (BRA)
2007 - Itália - Lili/Bárbara Seixas (BRA)
2008 - Inglaterra - Van Iersel/Remmers (HOL)
2009 - Inglaterra - Brzostek/Kolosinka (POL)
2010 - Alanya - Roenicke/Ross (EUA)
2011 - Canadá - Betchart/Heidrich (SUI)
2012 - Canadá - Betschart/Verge-Depre (SUI)
2013 - Croácia - Kociolek/Gruszczynska (POL)
2014 - Chipre - Sophie Bukovec/Tiadora Miric (CAN)
2015 - Suíça - Duda/Ana Patrícia (BRA)

Fonte: globoesporte.globo.com

sexta-feira, 13 de maio de 2016

1522 - Próxima atração: Brasileirão 2016

Terminados os campeonatos estaduais, eis que a atenção dos loucos por futebol continua com a Libertadores da América (em plena efervescência) e, já neste final de semana, estará também focada na disputa de mais um Campeonato Brasileiro.
Como sempre acontece a cada ano, antes de a competição se iniciar, é hora de as especulações tomarem os noticiários dos jornais e das TVs, com anúncios de contratações de jogadores e trocas de treinadores, além, é claro, do apontamento dos potenciais campeão, classificados para a Libertadores e Sul-Americana e rebaixados.
Nesta temporada, teremos os três grandes times mineiros na disputa da Série A. No ano passado o Atlético sagrou-se vice-campeão brasileiro, com uma bela campanha de 69 pontos ganhos, 21 vitórias, 6 empates e 11 derrotas. Já o Cruzeiro ficou na oitava posição com 55 pontos, 15 vitórias, 10 empates e 13 derrotas. O América subiu para a primeira divisão ao conquistar a quarta posição na tabela de classificação da Série B.
Com base no desempenho atual dos 20 clubes da primeira divisão do futebol brasileiro, é praticamente impossível prever quem será o campeão deste ano. Há um equilíbrio imenso entre os times e pelo menos uns sete deles podem ser listados como favoritos ao título. Na minha modesta opinião brigarão pelo título Corinthians, Palmeiras, Santos, São Paulo, Atlético, Internacional e Grêmio. Acredito que ficarão pelo meio da tabela Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Sport e Atlético-PR. Na luta contra o rebaixamento estarão América-MG, Botafogo, Figueirense, Ponte Preta, Coritiba, Chapecoense, Santa Cruz e Vitória.
Mas muita coisa pode mudar durante o campeonato, com a chegada e saída de jogadores e possíveis demissões de treinadores, fatos corriqueiros no Brasil. Mantida a condição atual, é possível prever que o Atlético estará mais uma vez no topo da tabela brigando pelo título de campeão e por mais uma participação na Libertadores. Ao América, imagino restar a briga para permanecer na primeira divisão. Quanto ao Cruzeiro, a situação é preocupante. Essa demora toda para contratar um treinador pode causar enormes prejuízos ao clube. O campeonato já vai começar e o clube só há pouco contratou um comandante, o que atrasa sobremaneira a preparação e a instalação de um esquema de trabalho nas áreas técnica e tática. Como pode-se notar na tabela, o Cruzeiro terá como adversários, nas cinco rodadas finais, times poderosos e que podem complicar grandemente a situação do time da Toca da Raposa, dependendo da situação na tabela de classificação. São eles Fluminense, Sport, Santos, Internacional e Corinthians. 
O Atlético estreia enfrentando o Santos, com uma equipe reserva, já que a prioridade no momento é a decisão das quartas de final da Libertadores, contra o São Paulo, na próxima quarta-feira, no Independência. Já o Cruzeiro vai até Curitiba enfrentar o Coritiba, enquanto o América joga contra o Fluminense, no Independência.
O clássico Atlético x Cruzeiro está marcado para a 7ª rodada. Cruzeiro x América-MG se enfrentam na 4ª rodada. Na 11ª rodada acontece o clássico América-MG x Atlético-MG.
Para essa temporada, a CBF - Confederação Brasileira de Futebol, divulgou novidades, entre elas a inclusão de um hino da competição e a criação de um novo dia e horário de jogos, às segundas-feiras, às 20 horas. Mais uma boa chance para o torcedor ver o seu time na TV.
Um grande abraço espinosense.



1ª RODADA:

Sábado - 14/05
16h - Flamengo x Sport
16h - Palmeiras x Atlético-PR
18h30 - Atlético-MG x Santos
21h - Coritiba x Cruzeiro

Domingo - 15/05
11h - Santa Cruz x Vitória
11h - Botafogo x São Paulo
16h - Figueirense x Ponte Preta
16h - Corinthians x Grêmio
16h - América-MG x Fluminense

18h30 - Internacional x Chapecoense

Primeiro turno do Brasileirão 2016

Jogos do Atlético:
1ª rodada - Santos (casa)
2ª rodada - Atlético-PR (fora)
3ª rodada - Grêmio (casa)
4ª rodada - Vitória (fora)
5ª rodada - Fluminense (casa)
6ª rodada - Sport (fora)
7ª rodada - Cruzeiro (casa)
8ª rodada - Internacional (fora)
9ª rodada - Ponte Preta (casa)
10ª rodada - Corinthians (casa)
11ª rodada - América-MG (fora)
12ª rodada - Botafogo (casa)
13ª rodada - Figueirense (fora)
14ª rodada - Flamengo (fora)
15ª rodada - Coritiba (casa)
16ª rodada - Palmeiras (fora)
17ª rodada - Santa Cruz (casa)
18ª rodada - São Paulo (fora)
19ª rodada - Chapecoense (casa)


Jogos do Cruzeiro:
1ª rodada - Coritiba (fora)
2ª rodada - Figueirense (casa)
3ª rodada - Santa Cruz (fora)
4ª rodada - América (casa)
5ª rodada - Botafogo (fora)
6ª rodada - São Paulo (casa)
7ª rodada - Atlético (fora)
8ª rodada - Flamengo (casa)
9ª rodada - Grêmio (fora)
10ª rodada - Ponte Preta (fora)
11ª rodada - Palmeiras (casa)
12ª rodada - Chapecoense (fora)
13ª rodada - Vitória (casa)
14ª rodada - Atlético-PR (casa)
15ª rodada - Fluminense (fora)
16ª rodada - Sport (casa)
17ª rodada - Santos (fora)
18ª rodada - Internacional (casa)
19ª rodada - Corinthians (fora)


Jogos do América:
1ª rodada - Fluminense (casa)
2ª rodada - Chapecoense (fora)
3ª rodada - Vitória (casa)
4ª rodada - Cruzeiro (fora)
5ª rodada - Ponte Preta (casa)
6ª rodada - Figueirense (casa)
7ª rodada - Internacional (fora)
8ª rodada - Botafogo (fora)
9ª rodada - Coritiba (casa)
10ª rodada - Palmeiras (fora)
11ª rodada - Atlético (casa)
12ª rodada - Corinthians (casa)
13ª rodada - Atlético-PR (fora)
14ª rodada - São Paulo (fora)
15ª rodada - Santa Cruz (casa)
16ª rodada - Flamengo (fora)
17ª rodada - Grêmio (casa)
18ª rodada - Sport (fora)
19ª rodada - Santos (casa) 

quinta-feira, 12 de maio de 2016

1521 - Está se sentindo cansado?

Às vezes, nesta nossa bela e frágil vida, nos sentimos bastante cansados, tanto fisicamente quanto mentalmente, e a solução parece ser uma viagem para algum lugar tranquilo e refrescante. A ideia é excelente, claro! O problema é encontrar tempo livre para viajar. E mais complicado ainda, possuir condição financeira para bancar tal privilégio. Mas sonhar nunca faz mal e jamais deve deixar de acontecer, mesmo que as chances de os sonhos se tornar reais sejam infinitamente impossíveis.
Pensando nisso, vou mostrar a vocês um lugar paradisíaco, em que poderão descansar das contrariedades do cotidiano com toda a tranquilidade e paz. Isso, se grana não for problema em sua vida. Trata-se do Lily Beach Resort, localizado em Huvahendhoo, nas Ilhas Maldivas. No meio de um maravilhoso mar de águas calmas do Oceano Índico, de praias lindas e exuberantes instalações, o hotel proporciona aos seus hóspedes uma hospedagem recheada de conforto e bem-estar. Você poderá se hospedar na Beach Villa, por apenas U$ 929 a diária. Ou no Deluxe Water Villas, por apenas U$ 1.783, ou ainda no Sunset Water Suites pela bagatela de U$ 2.742.
Com todos os recursos incluídos, você poderá mergulhar em lugares incríveis, passear no mar, passar a sua estadia ou a sua lua-de-mel em completa paz e tranquilidade, relaxar folgadamente no Spa e esquecer dos problemas da vida . Isso se você tiver algum problema, o que é meio difícil na vida de quem pode lá se hospedar, não é mesmo? Então se é o seu caso, boa viagem e divirta-se. 
Um grande abraço espinosense.


































terça-feira, 10 de maio de 2016

1520 - O Atlético duelará com o São Paulo nas quartas da Libertadores

Depois de muita luta, grandes partidas e algumas surpresas, a Copa Bridgestone Libertadores da América continua, agora na fase das quartas de final, com o confronto entre oito grandes sobreviventes das batalhas iniciais. Entre eles, apenas dois brasileiros que, infelizmente se enfrentarão, passando apenas um deles para as semifinais. São eles Atlético e São Paulo.
Ficaram assim os confrontos das quartas de final:
Atletico Nacional (COL) x Rosario Central (ARG)
Atlético x São Paulo 
Pumas (MEX) x Independiente del Valle (EQU)  
Boca Juniors (ARG) x Nacional (URU)
Para tristeza de muitos brasileiros, o Grêmio e o Corinthians não conseguiram sucesso nos confrontos contra Rosario Central e Nacional e ficaram pelo caminho. Outro gigante do futebol mundial, o atual campeão River Plate, também foi eliminado, pelo surpreendente Independiente del Valle, que na primeira fase esteve no Grupo 5, o do Atlético, classificando-se em segundo lugar.
Se a fase inicial já era complicada, agora é que o bicho vai pegar mesmo. O Atlético tem pela frente nada menos que o poderoso São Paulo, ganhador de três títulos da Libertadores. O time tricolor paulista estava em uma péssima fase há pouco tempo, mas agora parece estar se acertando, com uma substancial melhoria do desempenho, sob o comando do treinador argentino Edgardo Bauza. Até o sempre contestado Paulo Henrique Ganso passou a marcar gols e a se destacar nas apresentações do time.
Assim, não tem essa de favoritismo do Atlético, como andam dizendo algumas figurinhas da imprensa. Há um nivelamento grande entre os oito classificados para essa fase de quartas de final e o modelo de eliminação de mata-matas exige mais do que qualidade técnica. A tática adotada, o empenho e obediência dos jogadores na sua defesa e a garra empregada no jogo fazem enorme diferença e podem decidir quem segue em frente na disputa da taça. Então tudo pode acontecer, e qualquer resultado terá que ser considerado normal, dadas as dificuldades que as equipes enfrentarão nos jogos em casa e, principalmente, fora.
Libertadores realmente não é moleza. Se o Atlético conseguir passar pelo São Paulo, irá enfrentar ou o Rosario Central ou o Atletico Nacional. O Rosario atualmente é considerado o melhor time da Argentina e o Atletico Nacional é, na minha opinião, quem está apresentando o melhor futebol na competição, com um time rápido, de muito toque de bola e com excelentes jogadores. Ou seja, é pedreira em cima de pedreira, não há como fugir disso. 
No outro lado da tabela, parece mais fácil o caminho até a final. Isso no papel. Imagino que o Boca Juniors eliminará o Nacional e, posteriormente, o Pumas ou o Independiente del Valle, usando de toda a sua força, garra e tradição na principal competição sul-americana, que já venceu por seis vezes. Nós, atleticanos, teremos fortes emoções nos próximos combates do Galo no Morumbi e no Independência, mas não estaremos sós no sofrimento. Tenho absoluta certeza de que uma parcela imensa da torcida do Cruzeiro estará sofrendo junto conosco, torcendo não na mesma direção, é claro. Mas isso é intrínseco do esporte e a rivalidade é imprescindível à alegria do futebol, desde que a paz, a harmonia e o respeito imperem nas relações humanas. Que ganhe, então, o melhor e que o melhor seja o Clube Atlético Mineiro. Que Deus me ouça!
Um grande abraço espinosense.



Jogos de ida

11 de maio - Quarta-feira:
São Paulo x Atlético - Morumbi, às 21h45

12 de maio - Quinta-feira:
Nacional x Boca Juniors, às 19h15
Rosario Central x Atlético Nacional, às 21h45

17 de maio - Terça-feira:
Independiente del Valle x Pumas, às 21h45

Jogos de volta

18 de maio - Quarta-feira:
Atlético-MG x São Paulo - Independência, às 21h45

19 de maio - Quinta-feira:
Boca Juniors x Nacional, La Bombonera, às 19h15
Atlético Nacional x Rosario Central, às 21h45

24 de maio - Terça-feira:
Pumas x Independiente del Valle, às 21h45


Campeões da Libertadores:
Independiente (ARG) - 7 títulos (1964, 1965, 1972, 1973, 1974, 1975 e 1984)
Boca Juniors (ARG) - 6 títulos (1977, 1978, 2000, 2001, 2003 e 2007)
Peñarol (URU) - 5 títulos (1960, 1961, 1966, 1982 e 1987)
Estudiantes (ARG) - 4 títulos (1968, 1969, 1970 e 2009)
Nacional-URU - 3 títulos (1971, 1980 e 1988)
Olímpia (PAR) - 3 títulos (1979, 1990 e 2002)
River Plate (ARG) - 3 títulos (1986, 1996 e 2015)
Santos - 3 títulos (1962, 1963 e 2011)
São Paulo - 3 títulos (1992, 1993 e 2005)
Cruzeiro - 2 títulos (1976 e 1997)
Grêmio - 2 títulos (1983 e 1995)
Internacional - 2 títulos (2006 e 2010)
Atlético - 1 título (2013)
Atletico Nacional (COL) - 1 título (1989)
Argentinos Juniors (ARG) - 1 título (1985)

Colo-Colo (CHI) - 1 título (1991)
Corinthians - 1 título (2012)
Flamengo - 1 título (1981)
LDU Quito (EQU) - 1 título (2008)
Once Caldas (COL) - 1 título (2004)
Palmeiras - 1 título (1999)
Racing (ARG) - 1 título (1967)
San Lorenzo (ARG) - 1 título (2015)
Vasco - 1 título (1998)
Vélez Sársfield (ARG) - 1 título (1994)