Espinosa, meu éden

Espinosa, meu éden

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

1081 - Um breve passeio por Espinosa

De férias após mais um longo ano de trabalho, nada como voltar à terrinha para rever familiares e amigos e checar com os próprios olhos como andam as transformações ocorridas na cidade para o bem e para o mal.
Se existem coisas para elogiar, e são muitas, por outro lado o descaso com o meio ambiente continua estarrecedor. É incrível como ninguém (ou quase) se preocupa com o nosso futuro e com o futuro dos nossos descendentes quanto à questão da preservação do planeta. Ninguém se choca mais com as imagens desalentadoras dos nossos rios secos, cheios de lixo e de detritos, sem mais a bendita água a correr pelos seus leitos? Quando iremos acordar e tomar uma atitude? Lamentável!
Felizmente alguns fatos nos dão ânimo e confiança em um futuro melhor para os nossos filhos e netos, como a construção da Escola Técnica, que mesmo com as obras paralisadas atualmente, será de fundamental importância na educação da região. Não posso acreditar que sua finalização será abortada por decisões políticas torpes e canalhas. Se isso acontecer, a população deve protestar veementemente. A construção da sede do Polo Industrial é motivo de comemoração, bem como a percepção de vários novos empreendimentos iniciados por jovens empresários, fazendo engrandecer a economia local. A continuidade das obras da ETE, Estação de Tratamento de Esgoto, é outra coisa a se comemorar, dada a sua importância crucial para a saúde da população espinosense. 
Um outro fato a ser comemorado é que neste ano, ao contrário do que acontece em várias regiões do país, notadamente em São Paulo, que passa por uma seca de dimensões extremas, a situação das nossas barragens não é de quase desespero como aconteceu nos últimos anos, com o nível da água em condições bem razoáveis para a época do ano.
Algumas imagens contidas no vídeo que publico abaixo mostram a admirável beleza da Natureza, da vida pulsante contida nos frágeis corpos dos passarinhos e de um por do sol de encantar a nossa alma, o que nos dá um certo alento de que as coisas podem melhorar futuramente. Jamais devemos perder as esperanças de um futuro melhor.
Um grande abraço espinosense.

   

1080 - José Cangussu, um grande líder que jamais deve ser esquecido

Em um incerto dia de férias em Espinosa, precisei ir ao Fórum entregar alguns documentos e aproveitei a oportunidade para reencontrar velhos amigos que lá trabalham e que há algum tempo não via: Núbia, Dai e Tatinho, entre outros. Enquanto aguardava o processamento dos documentos, visualizei uma placa afixada na parede em frente à entrada do órgão judiciário e passei a ler o seu conteúdo. Trata-se de um texto muito bonito escrito por Alberto Deodato, que ainda jovem trabalhou como Promotor de Justiça na cidade de Rio Pardo de Minas, por volta de 1921, época em que a cidade de Monte Azul ainda era Tremedal e Espinosa ainda se chamava Lençóis do Rio Verde.
Alberto Deodato Maia Barreto foi um advogado, jurista, escritor, jornalista, professor universitário e político brasileiro, nascido em Sergipe no ano de 1896. Residiu e trabalhou por muito tempo na capital mineira. Faleceu aos 81 anos de idade devido a um edema pulmonar, na cidade de Belo Horizonte, no dia 15 de agosto de 1978.
Em suas linhas escritas com perceptível carinho, Deodato tece elogios ao seu amigo José Cangussu (então falecido há poucos dias), como também fala da sua admiração por Espinosa, aquele "adorável recanto sertanejo" onde, naqueles tempos de intrigas e violentas brigas políticas, pairava um clima de paz e respeito às liberdades humanas, um verdadeiro oásis de calmaria no Sertão.
É uma pena que um importante documento da nossa história pareça inacessível e distante da maioria da população da cidade, desconhecido de quase todos. Espero que com essa simples postagem eu possa ajudar para que esse testemunho maravilhoso da nossa eterna hospitalidade chegue a uma boa parcela dos nossos conterrâneos e que a inteligência, a cordialidade e o amor de José Cangussu à nossa Espinosa jamais sejam esquecidos e se tornem nossa atitude rotineira.
Um grande abraço espinosense.
       
Confiram a íntegra do documento com a sua grafia original.
Cangussu
Por Alberto Deodato
  
Quando fui Promotor de Justiça na cidade do Rio Pardo de Minas, norte de Minas, a comarca era enorme. Ia quase das barrancas do Rio São Francisco aos limites da Bahia. Compreendia Tremedal e Lençóis do rio Verde, hoje duas comarcas, com o nome de Monte Azul, a primeira, e Espinosa, a segunda. A política andava brava, naqueles idos de vinte e um. De quando em quando, tiros pipocavam. Em Rio Pardo. Em Monte Azul. Até Salinas. De três em três meses, subia uma facção e caía a outra. Os vencidos tinham um asilo, fôsse de que partido fôsse, na pequena Espinosa. Era uma espécie de Suíça sertaneja. Plantada à beira do rio Verde, dando o costado para a cidade de Urandi, na Bahia. Quis conhecer esse adorável recanto sertanejo, onde havia tanto respeito pelas liberdades humanas. Tanta compreensão pela liberdade de crença. Devia haver qualquer cousa diferente. Vizinho de tanta gente agressiva, que vivia armada até os dentes. Onde, em cada casa pobre, havia um catre e uma carabina papo amarelo. Mineiros e baianos. Devia a paz de Espinosa ter qualquer cousa diferente. E fui vê-la. Quinze léguas a cavalo, de Rio Pardo até lá. Galguei a serra Geral, até Mato Verde. E, depois, a planície de aroeiras, braúnas e cactos, que atravessa Monte Azul. Um lagoa lírica de garças e iassanans à entrada da vila. Um lençol colorido sobre as águas tranqüilas. De aves e de flores aquáticas. Uma praçazinha. Muitas casas de platibanda. O mercado brasileiro do sertão. A igrejinha bonita. Essa era Espinosa, a cidade diferente. Desci na boa casa colonial do coronel Heitor Antunes, cujas filhas tiravam o curso dos melhores colégios de Belo Horizonte. Uma, a menina mais bonita daquelas bandas, acabara de se casar com o médico local. À noite, uma festa. Foi, então, que conheci José Cangussu que, anteontem, levei ao cemitério do Bonfim. Falou pela terra, na poesia de sua oração. E pelo povo, nos conceitos de sua filosofia. Disso de amor à liberdade da sua pequena comunidade. Do respeito às crenças políticas e religiosas dos seus semelhantes. Caí-lhe nos braços, comovido, de encontrar, tão longe, um moço de vinte e poucos anos, que se ilustrou sozinho. Um autodidata. E compreendi a grandeza de Espinosa. Desde esse dia selamos uma amizade que a morte acaba de separar. Tive em algumas oportunidades, os sufrágios de Espinosa, para a Assembleia Estadual e Câmara Federal. Tenho a impressão de que os não desmereci. O que mais me ligava, entretanto, ao grande morto era a sua ternura sertaneja. Nunca nos esquecemos. Faz dois meses que recebia mais de um presente seu. A mais gostosa lembrança da terra. As pinhas enormes, de polpa dourada, que, ao serem abertas, espirravam mel dos caroços, como se fossem favos de abelha. Estou certo de que o sertão mineiro não o esquecerá nunca. Hão de guardá-lo a terra e a sua gente, no culto da lembrança, como o guardarei na minha saudade permanente.





José Cangussu está imortalizado na história da cidade de Espinosa, com o seu imponente busto fincado na Praça Coronel Heitor Antunes, no nome do Fórum local e na avenida que o abriga. A inauguração da sua imagem se deu em outubro de 1971 (conforme a placa), portanto há exatos 43 anos. A fotografia tirada à época mostra muitas dignas figuras conhecidas da sociedade espinosense, entre elas Geraldo Anacleto, Normino Xavier, Zé Patinho, Dirceu Ribeiro, Ninho Freitas, Albino Ramos, Didi Freitas, Dudu Tolentino, Joaquim de Freitas, Bola Freitas, Adolar Ramos, Jajá Freitas, o então prefeito Alvacy de Freitas e sua esposa Cleide e o ainda adolescente Luiz Cláudio Ribeiro da Cruz, hoje advogado. Se você examinar com cuidado e atenção, descobrirá outros personagens marcantes da nossa cidade nesta velha fotografia.
Não consegui informações seguras sobre a data completa da morte de José Cangussu, apenas soube do ano, 1964, mas ele deverá sempre ser lembrado por todos nós, espinosenses, em todas as ocasiões, pois certamente é um dos grandes homens da nossa história.          

terça-feira, 14 de outubro de 2014

1079 - Estação de Tratamento de Esgoto em Espinosa continua em obras

Estive em Espinosa na semana passada e fiz questão de ir comprovar "in loco" a situação da continuidade das obras de construção da ETE - Estação de Tratamento de Esgoto da cidade. Recentemente surgiram boatos de que a obra seria paralisada, o que causou enorme apreensão na população espinosense, provocando até uma manifestação de integrantes da comunidade com o fechamento da rodovia MG-122 em local próximo das obras.
Infelizmente, não tive contato com nenhum funcionário da empresa responsável pelo projeto e construção da obra, para conseguir informações oficiais e pertinentes, mas aparentemente tudo parece estar em perfeita ordem, com os trabalhos seguindo normalmente.
O projeto de saneamento básico já chega com anos e anos de atraso e é inadmissível que a obra, tão necessária para a melhoria da saúde da população e pela defesa do meio ambiente, seja descontinuada por picuinhas políticas, como às vezes lamentavelmente acontece no nosso país. Espero que qualquer que seja o resultado das eleições para a presidência do país, o cronograma da obra seja mantido e que seja terminado o investimento o mais rápido possível para entrega à população. 
Parece inacreditável, mas ainda se vê no Brasil algumas atitudes torpes, covardes e inescrupulosas de indivíduos que, na surdina, mandam apagar imagens, dados e informações importantes para o conhecimento da população nas placas das obras, como pode-se ver nas obras da ETE e da Escola Técnica de Espinosa, com finalidades políticas das mais sórdidas. Fico perplexo e indignado com atitudes deste tipo, que demostram claramente o despreparo de alguns em viver plenamente um estado de democracia plena. Que coisa feia! Lamentável!
Abaixo, imagens das obras no local e de intervenções realizadas no Rio São Domingos, abaixo da ponte da Rua Genésio Tolentino. Mais uma fotografia mostra a placa da ETE com a informação do PAC 2 e do logotipo do governo deferal apagados. Outras duas imagens mostram a placa da obra da Escola Técnica antes e depois da pintura apagando dados dos recursos disponibilizados para a obra pelo governo federal. Que coisa mais vergonhosa!
Um grande abraço espinosense.




















1078 - Mudanças à vista nas placas dos veículos no Mercosul

Assim como aconteceu na área de telefonia com o aumento de mais um dígito nos números dos telefones celulares há pouco tempo, o formato das placas dos automóveis brasileiros irá mudar em breve. Conforme notícia divulgada recentemente, os países integrantes do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela - que contam juntos com uma frota de cerca de 110 milhões de veículos, terão uma placa de formato único a partir de 2016. A mudança será gradual. A decisão foi tomada com o intuito de facilitar a circulação dos cidadãos dentro da região do Mercosul e promover a integração regional, além de proporcionar um controle mais efetivo de dados dos veículos.
A placa que será utilizada em todos os veículos (inicialmente apenas os novos) a partir de 2016 nos países integrantes do Mercosul possui 40 cm de largura por 13 cm de altura - as mesmas dimensões já utilizadas no Brasil - e tem design parecido com o utilizado na União Europeia. A nova placa possui sete caracteres, com duas letras, três números e mais duas letras, capaz de gerar até 450 milhões de combinações. A sistemática atual, com três letras e quatro números, permite uma combinação de 175 milhões de possibilidades. O fundo será branco, com uma comprida faixa azul na parte superior. Nela, à esquerda, o símbolo do Mercosul; no centro o nome do país em letras brancas e à direita a bandeira. A estética será homogênea em todos os cinco países.
Eu, particularmente, não gostei da ideia. Essa mudança toda, mesmo que a longo prazo, certamente vai causar alguns transtornos devido à burocracia, bem como alguma despesa para os cidadãos. E pelo que foi divulgado, não teremos mais o nome das cidades nas placas, o que vai fazer muita falta, na minha modesta opinião. Acho que será bem estranho não ver o nome da nossa cidade na identificação do nosso veículo. Mas, se terá que ser assim, paciência. Vamos aguardar os acontecimentos.



Para quem ainda não conhece o significado das cores das placas usadas no Brasil atualmente, aqui estão as explicações:
Veículos de cidadãos comuns - Automóveis em geral. Placa de fundo cinza com números e letras pretas; 
Veículos de transporte de aluguel - Táxis, ônibus e caminhões. Placa de fundo vermelho com números e letras brancas;
Veículos de auto-escolas - Placa de fundo branco com números e letras vermelhas;
Veículos de teste das fábricas - Montadoras e concessionárias. Placa de fundo verde com números e letras brancas;
Veículos oficiais de municípios, estados e da União - Ambulâncias, viaturas policiais etc. Placa de fundo branco com números e letras pretas;
Veículos oficiais de chefes de Estado - Placa de fundo preto com números e letras prateadas e com o brasão da República do lado esquerdo;
Veículos de representações internacionais - Embaixadores, agentes diplomáticos etc. Placa de fundo azul com números e letras brancas;
Veículos de colecionadores - Carros antigos. Placa de fundo preto com números e letras brancas.  
Veículos de autoridades - Presidente e vice-presidente do país, ministros e membros do Senado. Placas de fundo verde e amarelo com letras prateadas e o brasão da República do lado esquerdo.
Um grande abraço espinosense.

domingo, 12 de outubro de 2014

1077 - Daniel e Ísis Gabriella se casam em Montes Claros

A Igreja Nossa Senhora da Rosa Mística e o Portal Eventos, em Montes Claros, foram o cenário do enlace matrimonial dos jovens Daniel e Ísis Gabriella na noite deste sábado. Ele, filho de José Veloso Costa e Ilza Lopes Veloso. Ela, filha de Roberto Carlyle Gonçalves Lopes e Lindacy Antunes Lopes.
A cerimônia religiosa começou por volta das 20 horas, celebrada pelo padre Harley, na bela igreja do Bairro São Luiz, muito bem decorada para a ocasião. Em seguida os convidados, familiares e amigos do casal, da sociedade montesclarense e muitos espinosenses e monteazulinos, foram recepcionados nas dependências do Portal Eventos, em um ambiente de muita alegria e de decoração impecável, bem como o serviço de buffet de alta qualidade da Bella Tavolla.
A festa, de tão animada, entrou pela madrugada de domingo, só terminando quase ao nascer do sol.
Aos noivos Dan e Gabi, os nossos votos de que o amor se perpetue em seus corações, em um relacionamento sadio, respeitoso, harmonioso e completamente recheado de felicidade. Que Deus os proteja e os faça felizes por todo o sempre, amém!
Um grande abraço espinosense.